Menu

\ Seja Investidor

Razões para Investir em uma fração imobiliária hoteleira

  • 1 - Imóvel já locado: Ao adquirir a fração de um imóvel hoteleiro o investidor também assinará o contrato de locação com a administradora hoteleira. Assim, o imóvel já estará alugado após a conclusão das obras, não havendo período de vacância.
  • 2 - Valorização do Imóvel: Ao investir em uma fração imobiliária hoteleira, o investidor terá, além da renda proveniente da locação do imóvel, a possibilidade de se beneficiar da natural valorização do imóvel.
  • 3 - Gestão Profissional: A fração imobiliária hoteleira do investidor será locada à Hotelaria Brasil S/A, uma empresa com grande experiência no segmento de hotelaria, garantindo uma gestão profissional da operação e gestão do investimento realizado.
  • 4 - Imóvel com a bandeira da Best Western: Ao adquirir uma fração do imóvel hoteleiro o investidor terá a garantia de afiliação da rede Best Western por um período de 11 anos renováveis, conforme contrato.
  • 5 - Hotel montado e equipado: O valor da fração ideal do imóvel hoteleiro já inclui todos os valores para a montagem de todo o hotel, bem como os equipamentos necessários, para que a operação seja iniciada imediatamente, tornando desnecessário qualquer investimento adicional por parte dos proprietários das frações.
  • 6 - Imóvel sempre conservado: Ao adquirir uma fração de um imóvel hoteleiro o investidor tem assegurado no contrato de locação que o imóvel será devidamente conservado pela administradora hoteleira, evitando a deterioração do seu investimento.
  • 7 - Participação no Condomínio Pro Indiviso: Mesmo com o contrato de locação do imóvel, garantido por 11 anos, o investidor fará parte do Condomínio Pro Indiviso, podendo acompanhar o desempenho da operação hoteleira e especialmente participar com direito a voto nas decisões do Condomínio junto à administradora hoteleira.
  • 8 - Prestação de Contas: A Administradora Hoteleira prestará contas trimestralmente aos investidores, através de balancetes, para que os mesmos possam avaliar a saúde financeira de seu investimento. Também serão divulgadas aos investidores as demonstrações financeiras anuais, auditadas por empresa com registro na CVM, visando garantir transparência e a validação dos números apresentados pela administradora. Os relatórios serão disponibilizados no website da Hotelaria Brasil, específico para este fim.

Conheça os fatores de risco

Antes de tomar a decisão de adquirir frações/unidades imobiliárias em empreendimentos hoteleiros, os potenciais compradores devem considerar cuidadosamente todas as informações constantes deste material de oferta, em especial os riscos mencionados abaixo. Os negócios, situação financeira e resultados das operações, bem como o valor patrimonial do bem adquirido, podem ser adversa e materialmente afetados por quaisquer desses riscos e, por conseguinte, impactar no empreendimento/investimento imobiliário.

  • 1) A venda de frações/unidades imobiliárias hoteleiras atreladas a contratos de aluguel é uma espécie em desenvolvimento de valor mobiliário no Brasil. Portanto, sujeito às volatilidades tanto do mercado de valores mobiliários quanto do mercado imobiliário, de forma que não se pode afirmar que o ativo ora adquirido irá manter, a longo prazo, seu valor atual. O investimento em valores mobiliários negociados em mercados emergentes, tal como o Brasil, envolve, com frequência, maior risco em comparação a outros mercados mundiais. O mercado brasileiro de valores mobiliários é substancialmente menor, menos líquido e mais concentrado, podendo ser mais volátil do que os principais mercados de valores mobiliários mundiais, como, por exemplo, o dos Estados Unidos.
  • 2) O empreendimento hoteleiro será alugado e operado por terceiros e dependerá da administração destes. A má administração do empreendimento poderá afetar adversamente sua situação financeira e sua imagem. O empreendimento, de acordo com o previsto na convenção de condomínio pro-indiviso, será gerido por uma administradora de hotéis. Os contratos de administração geralmente são de longo prazo e contém condições de rescisão motivada ou imotivada, mediante pagamento de indenização, o que dificulta a rescisão unilateral imotivada. Não há como garantir que os serviços prestados terão a qualidade esperada ou que o empreendimento será administrado de forma satisfatória. A má qualidade na prestação de serviços ou a má administração do hotel poderão afetar negativamente a imagem do empreendimento, e consequentemente o seu resultado.
  • 3) O recente crescimento nos setores turístico e hoteleiro do Brasil e da cidade do Rio de Janeiro poderá não ser mantido após a realização dos eventos esportivos dos anos 2014 e 2016, o que pode impactar no resultado do empreendimento. O setor hoteleiro no Brasil vem passando por franca expansão nos últimos anos, crescendo acima do PIB a mais de 10 anos. Não há como garantir que após os eventos esportivos de 2014 e 2016 o crescimento do número de turistas vá aumentar, como ocorreu em outros países que sediaram Copas do Mundo e Olimpíadas. A eventual queda nos números de visitação por turistas poderá diminuir a taxa de ocupação e/ou do valor cobrado para o uso do empreendimento, impactando negativamente o resultado.
  • 4) A crescente consolidação do setor hoteleiro no Brasil poderá exercer pressões nas margens e resultado operacional do empreendimento hoteleiro que será desenvolvido sobre o Imóvel. Os principais riscos inerentes a empreendimentos hoteleiros são: (i) mudanças relevantes na situação macroeconômica brasileira ou mundial, inclusive no que concerne à ocorrência, duração e intensidade de recessões; (ii) aumento relevante dos custos operacionais, inclusive aqueles causados por conta de eventos da natureza; (iii) indisponibilidade de crédito ou disponibilidade de crédito em condições menos favoráveis do que as atuais; e (iv) crescimento no número de concorrentes, aumentando a oferta e diminuindo margens de lucro. A profissionalização e a consolidação do setor podem resultar em competidores cada vez mais estruturados e com um poder de barganha crescente junto a clientes e fornecedores, o que pode levar o empreendimento imobiliário a ter que diminuir preços de diárias, aumentar os seus gastos com divulgações das marcas que opera e aumentar programas de promoção. Se a empresa administradora do hotel não for capaz de responder eficazmente a essa competição crescente, a ocupação do empreendimento hoteleiro e o preço cobrado pelas diárias podem diminuir, afetando adversamente seus resultados financeiro e operacional.
  • 5) Recessões econômicas podem reduzir, interromper ou levar à substituição dos serviços por outros concorrentes de menor preço. Esses fatores poderão reduzir a ocupação do empreendimento hoteleiro, afetando adversamente seu resultado. A utilização dos serviços por consumidores está diretamente relacionada às condições econômicas locais, nacionais e internacionais, como também à renda do público-alvo do empreendimento, ao crescimento do PIB e ao aumento do poder aquisitivo resultante de mudanças na política monetária relativas às taxas de juros e ao controle inflacionário. Em períodos de instabilidade ou recessão econômica os consumidores poderão reduzir significativamente a demanda pelos serviços oferecidos ou optar por outros de menor preço. Mudanças nas políticas monetárias governamentais que impliquem aumento da taxa de juros, variação cambial e redução do poder de compra dos clientes podem impactar adversamente o empreendimento. Também poderão afetar negativamente o empreendimento mudanças nos aspectos sociais e políticos locais, nacionais e internacionais.
  • 6) A valorização de imóveis verificada nos últimos anos poderá não se manter em períodos futuros, podendo haver desvalorização dos imóveis. O valor de mercado de imóveis poderá não acompanhar o crescimento observado nos últimos anos, o que pode impactar adversamente o valor de cada fração imobiliária ofertada, e, consequentemente, do imóvel como um todo. A escassez de financiamentos ou aumento de taxas de juros podem diminuir a demanda por imóveis residenciais, comerciais ou hoteleiros, podendo afetar negativamente o valor do imóvel hoteleiro. Ademais, caso a economia entre em estado recessivo, pode-se observar um decréscimo ou estagnação no valor do imóvel hoteleiro, o que poderá impactar adversamente no valor das frações imobiliárias objeto da Oferta.
  • 7) Em caso de resultados negativos decorrentes da operação, e não havendo saldo de caixa, a operadora hoteleira será instada a realizar aportes de capital para cobrir as necessidades do caixa, o que poderá impactar negativamente na remuneração dos investidores até a regularização desta situação. Caso a operação hoteleira tenha resultados negativos, e não havendo saldo de caixa, a operadora hoteleira poderá ser instada a realizar aportes de capital que visem cobrir despesas ou custos da atividade hoteleira. Nesse caso, a operadora se tornará credora do empreendimento, devendo ser ressarcida dos valores aportados. Assim, caso sejam auferidos resultados negativos na forma descrita acima, a remuneração variável será impactada negativamente, devendo ser reduzida até a quitação do saldo devedor.
  • ESCLARECIMENTO

    As ofertantes declaram serem responsáveis pela veracidade, consistência, qualidade e suficiência das informações prestadas por ocasião do registro e fornecidas durante a distribuição.

    Leia todo o material relacionado a esta oferta antes da aquisição das frações ofertadas, em especial a seção fatores de risco.

    www.incortel.com.br/seja-investidor
    http://www.secovi.com.br/files/Downloads/manual-hotelariapdf.pdf

    Os investidores devem ler a Seção “Fatores de Risco” da oferta para conhecer os riscos a serem considerados antes de investir no Fundo.

    A decisão de investimento demanda complexa avaliação de sua estrutura, bem como dos riscos inerentes aos valores mobiliários ofertados. Recomenda-se que os potenciais investidores avaliem juntamente com sua consultoria financeira os riscos de pré-pagamento, inadimplemento, liquidez e outros associados a esse tipo de ativo.

    A distribuição não conta com classificação de risco de Agência classificadora de riscos.

    Esta apresentação contém informações e perspectivas de desempenho acerca do empreendimento e do mercado imobiliário, que envolvem riscos e incertezas.